Saiba mais
Idioma
Menu
Menu
Idioma

Qual a influência do dólar na indústria? Entenda aqui!

13 MAR 2019 - 00H00 | ATUALIZADA EM 01 ABR 2019 - 11H32

Já é sabido que as oscilações da moeda americana afetam o nosso país, principalmente questões ligadas à economia e aos resultados financeiros de empresas dos mais variados setores. Entretanto, ainda existem dúvidas a respeito de como isso ocorre, quais são os principais motivos da influência do dólar na indústria e a amplitude das consequências.

Pensando nisso, decidimos elaborar este artigo para explicar melhor a influência do dólar na indústria e quais são as possíveis vantagens e desvantagens que as altas e baixas podem proporcionar. Você se interessou pelo assunto? Então, continue conosco e confira agora mesmo!

Por que a variação do dólar impacta a economia?

Basicamente, o valor do dólar aumenta ou diminui devido a uma questão que rege qualquer negociação empresarial e a economia: a lei da oferta e da procura. Em outras palavras, quanto maior for a demanda pela moeda (ou um produto), maior será o valor dela no mercado.

Por outro lado, se há grande circulação de dólar no mercado e menos pessoas procurando por ele, o resultado é a diminuição do valor.

No que diz respeito à influência do dólar na economia brasileira, pode-se afirmar que a alta na moeda norte-americana impacta em todas as commodities (ou seja, produtos que servem como matéria-prima podem ser estocados sem perda de qualidade e produzidos em massa) internacionais e que tenham algum vínculo com a moeda.

Assim, se as negociações globais são realizadas tendo o dólar como base, os preços dos contratos poderão sofrer alterações a qualquer momento (caso haja alta ou queda no valor da moeda).

Em suma, de certa forma, todos os setores que dependem de importação que vem do exterior (como alguns componentes utilizados na indústria) ou que trabalham com a exportação de produtos sofrerão com as oscilações.

Pensando na cadeia de abastecimento, o aumento dos custos que as organizações têm — em decorrência do aumento do dólar — acarreta elevação dos preços aos consumidores, além da possibilidade de diminuir a margem de lucro do negócio.

Ao longo do tempo, isso pode interferir na capacidade de realizar novos investimentos e afetar a geração de novos empregos. Da mesma forma, instituições (de médio e grande porte) que contraíram dívidas em dólar também terão sua capacidade de pagamento afetada (caso a moeda tenha altas sucessivas).

Qual é a influência do dólar na indústria?

As variações do dólar (tanto para maior quanto para menor) afetam os preços de insumos, matérias-primas e até mesmo produtos acabados. Nesse caso, a relação é diretamente proporcional: enquanto a alta faz com que os itens encareçam, a baixa pode promover redução nos preços (e melhorar a perspectiva do ponto de vista de quem compra).

Ainda que uma empresa tenha em sua linha de produção itens manufaturados nacionalmente, se em algum ponto anterior da cadeia de suprimentos foi utilizado um material importado, a oscilação também vai ocorrer — visto que os custos são repassados na hora da precificação. Em outras palavras, qualquer alta da moeda estrangeira vai tornar os preços dos fornecedores mais caros.

Nesse caso de valorização, é sinônimo de aumento dos custos operacionais. Como consequência, a empresa se vê diante de duas situações:

- Diminuir a margem de lucro (que, em alguns casos, já é pequena);
- Repassar o custo adiante, aumentando o valor dos produtos.

Em um cenário alternativo, existe a possibilidade de tornar os processos mais enxutos (reduzindo desperdícios) e a operação mais eficiente. Isso leva à redução dos custos operacionais, equilibrando a balança e possibilitando manter esses dois aspectos (lucro e preço) inalterados.

Quais são as vantagens e as desvantagens dessa oscilação para a indústria?

Com o entendimento da dinâmica da variação e a influência do dólar na indústria, fica mais fácil explicar quais vantagens e desvantagens essa oscilação apresenta para as empresas e seus parceiros. Explicaremos algumas delas nos próximos tópicos.

Nas relações com fornecedores

Um aumento considerável no custo de determinado insumo pode ter que levar a uma renegociação ou até mesmo à procura de novos parceiros que apresentem preços mais competitivos. Essa estratégia de rever os gastos no setor de compras (e promover o chamado saving — ou economia, a grosso modo) faz parte do processo de manter a lucratividade.

Em contrapartida, isso pode contribuir para o aumento da procura de produtos nacionais e ajudar a aquecer o mercado interno.

Na competitividade

O repasse de custos de fornecedores para a indústria e dela para distribuidores (e, posteriormente, para clientes finais) deixa as empresas mais vulneráveis — principalmente frente a concorrentes estrangeiros. Isso, aliado à perda da lucratividade, faz com que as empresas percam competitividade. Se não houver uma estratégia bem definida para contornar o problema, existe o risco de sofrer com prejuízos posteriormente.

No que diz respeito às exportações, um cenário de alta é benéfico para o setor, principalmente no que diz respeito ao lucro que pode ser obtido com as vendas, visto que o custo é pago em reais e as receitas recebidas em dólar. Porém, vale frisar que isso não é garantia de lucratividade imediata, já que depende de fatores como a procura pelos itens, os preços praticados no mercado internacional e o investimento na atividade de exportação, por exemplo.

Nos investimentos

Além do risco de reduzir a margem de lucro, o aumento no valor da moeda norte-americana também afeta a capacidade que uma empresa tem de fazer novos investimentos (como é o caso de organizações que adquirem maquinário importado) e melhorias nos processos.

Com o tempo, isso resulta em falta de modernização e possível queda na qualidade dos produtos oferecidos — outro fator que tem ligação direta com a competitividade da empresa no mercado.

No mercado

De forma geral, a diminuição no valor do dólar estimula a produção na indústria e torna os preços dos produtos mais competitivos no mercado — deixando-os, assim, mais atraentes para o consumidor.
Entender a influência do dólar na indústria e as consequências que as mudanças geram é a melhor forma de se preparar para reduzir os impactos negativos e aproveitar as oportunidades que podem surgir com as oscilações.